ARGUMENTO AD HOMINEM
A argumentação ad hominem é uma forma de argumentação ligada à
estrutura da interação, dizendo respeito ao modo de lidar com o discurso
do outro.

Com efeito, uma das formas de contra-argumentar pode consistir em
mostrar que, tomando o discurso do interlocutor
nos seus próprios
termos
, as suas assunções acabam por se manifestar como
incompatíveis, contraditórias ou incoerentes. Assim, pode-se contra-
argumentar retomando o discurso do outro («se disseste isto e aquilo,
como é que podes agora afirmar uma coisa que parece não se encaixar
nas declarações prévias?).

Por conseguinte, argumentar ad hominem é colocar-se no terreno do
adversário sem contudo subscrever a sua argumentação e, para retomar
um termo grato a Popper, submetê-la a um processo de eventual
«falsificação».

É corrente confundir-se a argumentação ad hominem com a
argumentação
ad personam, na qual o que está em causa não é a forma
de argumentar do interlocutor, mas a desvalorização dos seus argumentos
pela descredibilização da sua pessoa. Ou seja, a argumentação
ad
personam
centra-se essencialmente no ethos, ou na credibilidade do
interlocutor.

Na definição de Locke, o argumento ad hominem consiste em
«pressionar um homem pelas consequências que decorrem dos seus
próprios princípios, ou daquilo que ele próprio admite».



Rui Alexandre Grácio
 
VocAbulário
 
© Rui GrÁcio 2015