CLICHÉ
Conta Bateson (1972) que cliché é um termo francês oriundo da
imprensa:

«quando imprimiam uma frase tinham de pegar nas diferentes letras e
colocá-las em ordem uma por uma numa espécie de caixa sulcada para
soletrarem a frase. Mas para palavras e frases que as pessoas utilizavam
muito, o impressor guardou as pequenas caixas de letras já feitas. E essas
frases já-feitas são chamadas
clichés
».

Seja esta descrição verídica ou não, ela capta a essência: um cliché é
uma forma de expressão cuja repetição a transforma num
chavão, ou
seja, algo que comum e espontaneamente se diz sem que com isso se
diga algo de novo.

Se alargarmos a classificação deste termo ao conteúdo do pensamento,
poderemos dizer, com Amossy, que os
clichés são uma espécie de
«
pronto-a-pensar do espírito», um modo de pensar «por defeito», ou
seja, segundo padrões vulgarizados e algo exauridos no seu sentido pelo
uso repetido. De uma forma geral atribui-se ao
cliché uma conotação
negativa
, ligando-o a formas estereotipadas que, como as metáforas
mortas, já nada trazem de novo.


Rui Alexandre Grácio
 
VocAbulário
 
© Rui GrÁcio 2015