Curso Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especiais (pós-graduação)

* Preço do curso em regime semi-presencial 660 euros por inscrição, podendo ser pago em três prestações mensais de 220 euros.

 Estrutura do curso

Duração do curso:
95 horas na plataforma,
20 tutoria e
512 horas trabalho autónomo


UNIDADES CURRICULARES

UNIDADE CURRICULAR I.
EDUCAÇÃO INCLUSIVA E NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS
1. Apresentação da disciplina 
PRIMEIRA PARTE: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL, DEFINIÇÃO DE CONCEITOS E POLÍTICAS EDUCATIVAS NO MUNDO E EM MOÇAMBIQUE
2. A educação especial e inclusiva no mundo
3. Tarefas 1 a 4
4. A educação especial e inclusiva em Moçambique
5. Tarefas 5 e 6
6. Classificação das Necessidades Educativas Especiais (NEE)
7. Surdez e perda auditiva
8. Visão e cegueira
9. Multideficiência
10. Tarefa 7
11. Problemas motores
12. Problemas cognitivos
13. Tarefa 8
14. Tarefa 9
15. Transtorno do espectro do autismo
16. Tarefa 10
17.Transtorno do défice de atenção e hiperactividade
18.Tarefa 11
19.Dificuldades de aprendizagem específicas
 20.Tarefa 12
 21. Sobredotação

UNIDADE CURRICULAR 2. SISTEMAS AUMENTATIVOS E ALTERNATIVOS DE COMUNICAÇÃO
22. Apresentação da Unidade Curricular
23. Apresentação dos diferentes SAAC
24. Requisitos para a introdução de um SAAC
25. O Sistema Bliss
26. O sistema PIC
27. O sistema Makaton
28. O Sistema SPC
29. PECS
30. Indicações para a construção de tabelas de comunicação
31. Tecnologias e NEE: apoio à comunicação
32. Implicações para a implementação/uso dos SAAC
33. Material de apoio: vídeo 1
34. Material de apoio: vídeo 2
35. Material de apoio: vídeo 3
36. Material de apoio: vídeo 4
37. Tarefas 1, 2 e 3

UNIDADE CURRICULAR 3. CURRÍCULOS FUNCIONAIS E TRANSIÇÃO PARA O MUNDO DO TRABALHO
38. Apresentação da Unidade Curricular
39. Currículos funcionais: diferenciação curricular, direitos e qualidade de vida
40. População alvo dos currículos funcionais: características de aprendizagem e do comportamento
41. O modelo curricular funcional: conceitos, objetivos e características
42. Estratégias de desenvolvimento curricular na perspetiva de uma abordagem curricular funcional
43. Transição para o mundo do trabalho
44. Materiais de apoio à Unidade Curricular III

UNIDADE CURRICULAR 4. INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA
45. Apresentação da Unidade Curricular
46. Definição
47. Tarefas 1, 2 e 3
48. Fundamentos
49. Tarefa 4
50. Enquadramento histórico
51. Tarefa 5
52. Modelos, Conceitos e Princípios de Intervenção
53. Tarefa 6
54. Processo de Intervenção
55. Tarefa 7
56. Caso prático
57. Tarefas 8 e 9

SINOPSE DAS UNIDADES CURRICULARES
Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especiais (Sinopse)
Numa época em que a escola se pretende verdadeiramente inclusiva, acolhendo e procurando dar resposdta a todos aqueles que por qualquer motivo se encontram em risco de exclusão, todo o docente é chamado a assumir atitudes e práticas que permitam ao aluno com necessidades educativas especiais (NEE) desenvolver o seu potencial de aprendizagem e desenvolvimento com vista à máxima autonomia na sua vida pessoal, social e profissional futura e à sua participação ativa na construção de uma sociedade. melhor.Sem esquecer que o alcance deste objetivo há-de ser o resultado de toda uma formação para a qual hão-de contribuir outras unidades curriculares, e em que a formação ao longo da vida há-de desempenhar um importante papel, a disciplina de Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especiais centrar-se-á especificamente na abordagem de um leque de quadros de excepcionalidade cujo conhecimento é necessário para perceber as dificuldades deles decorrentes e as medidas educativas aconselhadas para as superar. É assim que, para além dos aspectos inerentes à filosofia da inclusão, se abordam os quadros da deficiência cognitiva, motora e sensorial (auditiva e visual), bem como os problemas de comportamento e aprendizagem – especificando alguns quadros nesse âmbito – e a própria sobredotação. Estes são, assim, tópicos centrais desta unidade curricular. Paralelamente com os objetivos de índole cognitiva, procurar-se-ão ainda estimular, nos formandos, atitudes consentâneas com as perspetivas atuais sobre a pessoa diferente, abordando as orientações educativas destinadas a garantir a sua plena integração escolar e social e o usufruto dos direitos devidos a todo e qualquer cidadão.

Sistemas Aumentativos e Alternativos de Comunicação (Sinopse)
Muitas crianças e jovens com Necessidades Educativas Especiais (NEE) apresentam problemas de comunicação, ficando impossibilitados de comunicar através da vertente oral. A extrema frustração que se sente quando não se é capaz de comunicar as próprias necessidades e pensamentos pode ser uma das experiências mais devastadoras com que sedepara uma pessoa com problemas a este nível. Assim, os Sistemas Aumentativos ou Alternativos de Comunicação (SAAC) surgem, como o próprio nome indica, com o objetivo de aumentar competências comunicativas já existentes ou como forma alternativa de comunicar, isto é, como forma de comunicar utilizando sistemas visuais pictográficos ou visuo-pictográficos e manuais. Sabendo que a comunicação é a base para o desenvolvimento humano é importante que os professores que trabalham nesta área possibilitem as estas crianças e jovens o acesso a estes SAAC, permitindo-lhes uma integração em meios diversificados, menos restritivos, acesso ao conhecimento, uma maior qualidade de vida e maior independência e autonomia. Também as ajudas técnicas são de extrema importância por permitirem ao utilizador com problemas motores associados poder expressar-se selecionando o símbolo pretendido. Finalmente, toda e qualquer seleção que se faça relativamente à escolha de um SAAC, ou de uma ajuda técnica, deverá obedecer a critérios bem definidos e é desejável que seja realizada por uma equipa, em que além dos professores e técnicos, também os familiares da criança ou jovem possam dar o seu contributo.

Currículos Funcionais e Transição para o mundo de trabalho (Sinopse)
Quando as dificuldades e limitações do aluno obrigam a perspetivar uma inserção profissional e sócio-familiar futura ajustada às dificuldades e potencialidades deste cidadão, então é necessário trabalhar desde cedo as competências que permitirão uma inclusão futura na sociedade e fornecer os apoios para levar por diante com sucesso essa transição para a vida pós escolar. É nesta linha que a presente unidade curricular será orientada. Assim, os objetivos a atingir no final desta unidade pressupõem não apenas a aquisição de informação pelos formandos, mas igualmente a capacidade de compreender e perspetivar o futuro das pessoas com NEE de caráter permanente. Com efeito, esse futuro será, em grande parte, o resultado do trabalho feito na escola. Daí que, mais do que para qualquer outro aluno, ao falarmos de alunos com NEE seja necessário enquadrar todo o trabalho educativo a realizar tendo sempre em mente conseguir para cada um destes alunos uma independência e inserção laboral, social e familiar o mais autónoma possível.

Intervenção Precoce (Sinopse)
A investigação recente sobre o desenvolvimento precoce aprofundou a nossa compreensão sobre as necessidades das crianças pequenas e das suas famílias, nomeadamente das que são afetadas por deficiência ou risco de atraso do desenvolvimento, permitindo deduzir alguns princípios que deverão ser tomados em linha de conta na organização de cuidados e intervenções precoces. Com esta unidade curricular pretende-se genericamente consciencializar os formandos acerca do âmbito da Intervenção Precoce, nomeadamente através do domínio de conhecimentos relativos aos conceitos, modelos de intervenção e estratégias usados em Intervenção Precoce. Pretende-se ainda estabelecer as bases para o eventual posterior desenvolvimento de competências específicas que os habilitem a atuar nesse domínio.

 Informações adicionais

Local e data

Curso à distância. Inicie e conclua quando quiser.

Responsável pelo curso

Maria Madalena Baptista natural de Maputo - Moçambique. Doutorada (PhD) em Ciências da Educação na Universidade Católica de Lisboa, em 2005, Mestre na especialidade de Psicolinguística, em 1999, na Faculdade de Letras de Lisboa e detentora de um Diploma de Estudos Superiores Especializados em Educação Especial pelo Instituto Politécnico de Lisboa (1991). Possuí ainda o título de Bacharel em Educação de Infância (1985) e uma Especialização em Educação Especial como bolseira do Governo Alemão, em Heidelberg (1989). 

Experiência profissional mais relevante em Moçambique desde Outubro de 2008 até à presente data
• Consultora Internacional contratada pela cooperação Espanhola (Oxfam), Italiana (GVC e AVSI), Alemã (GIZ), Dinamarquesa (Danida e IBIS), Banco de Moçambique (World Bank) e por Associações Moçambicanas (AMA, ONP e MEPT) para elaborar Currículos Locais, fazer manuais, fazer a revisão linguística de materiais, realizar formações, investigações/estudos, fazer o levantamento de necessidades formativas de técnicos e professores, fazer missões de verificação, fazer linhas de base, avaliações intermédias e finais de projectos e programas e elaborar kits auto-instrucionais;
• Assessora Sénior para a Educação na Província de Cabo Delgado através do Programa Dinamarquês (ADPESE/Danida- Fase 2);
• Consultora Sénior na Direcção de Gestão e Garantia da Qualidade (DGGQ) e na Direcção Nacional do Ensino Primário (DINEP) no Ministério da Educação em Maputo, responsável pelo apoio técnico na definição do sistema de gestão e garantia da qualidade e na definição das normas e padrões de qualidade no ensino pré-primário, nos Institutos de Formação de Professores, no ensino primário e nos Serviços Distritais de Educação Juventude e Tecnologia (SDEJT);

Experiência Profissional com Instituições de Ensino Superior em Moçambique
• Membro da Equipa Coordenadora da elaboração do Currículo da licenciatura da Língua de Sinais de Moçambique em implementação na Universidade Eduardo Mondlane, em Maputo, e responsável pela elaboração de 37 planos temáticos do referido curso;
• Responsável pela acção de sensibilização ministrada aos docentes da licenciatura em Língua de Sinais de Moçambique, na UEM;
• Responsável pela realização de um curso de Formação Pedagógica para docentes (30 horas) no ensino superior no ISCTEM em Maputo;
• Docente no Mestrado em Educação e Desenvolvimento na Universidade Eduardo Mondlane, em Maputo;
• Docente de uma cadeira de mestrado da Universidade Católica de Pemba denominada “Gestão da qualidade educativa das instituições”;
• Representante do Instituto Politécnico de Coimbra em Moçambique para a elaboração de acordos de cooperação e projectos.

Experiência profissional mais relevante em Portugal na formação de educadores e professores desde 1993
Vinte anos de Experiência no Ensino Superior Politécnico em Portugal, sendo actuamente Professora Coordenadora da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Coimbra tendo desenvolvido ao longo de vários anos actividades de docência e coordenação:
- Docente de vários cursos de formação de educadores de Infância e de Professores, tendo elaborado os respectivos programas e sido orientadora e arguente de teses de licenciatura, mestrado e co-orientadora de teses de doutoramento.
- Formadora Especialista de Professores, reconhecida pelo Conselho Científico-Pedagógico de Formação Contínua, desde 1996, nos domínios de Educação e Desenvolvimento, Educação Especial e Sensibilização à Educação Especial.
- Coordenadora da prática Pedagógia de educação de Infância, do cursos de Estudos Superiores Especializados em Educação Especial, proponente e coordenadora do Curso de Formação Especializada em Problemas Graves de Comunicação, proponente e coordenadora da licenciatura em Língua Gestual Portuguesa, e proponente do Mestrado de Educação Especial no domínio cognitivo e motor, sendo actualmente docente da cadeira de Sistemas Aumentativos e Alternativos de Comunicação neste Mestrado, a decorrer na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Coimbra.
- Coordenadora de um projeto E-Inovar do POCI sobre ensino à distância da Língua Portuguesa como segunda língua (L2) para populações específicas a frequentarem o ensino superior politécnico (alunos PALOP e alunos Surdos).
Coordenadora da rede (European Teacher Educators) em representação da ESEC.
- Docente convidada responsável pela disciplina “A deficiência auditiva numa perspectiva de inclusão” no curso de Formação Pós-graduada em Ensino Especial na Universidade Lusíada de Lisboa.
- Docente convidada responsável pela disciplina “Deficientes motores e sensoriais: escolarização e reabilitação” no curso de mestrado de Educação Especial na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação de Coimbra;
- Docente convidada responsável pela disciplina de Linguística da Língua Gestual Portuguesa, na Licenciatura de Intérpretes de Língua Gestual Portuguesa na ESE do Instituto Politécnico do Porto;
- Membro eleito para a Assembleia de Representantes (2000/01, 2001/02, 2002/03) e para o Colégio Eleitoral (2003/2004) da Escola Superior de Educação de Coimbra (ESEC);
- Membro nomeado para o Conselho Científico (2003/04, 2004/05, 2005/06, 2006/07, 2007/08), para o Conselho de Administração (2005/06, 2006/07) e para o Conselho Pedagógico (1996/97, 1999/00, 2000/01, 2006/07 e 2007/08) da Escola Superior de Educação de Coimbra (ESEC)
- Membro eleito para exercer as funções de Vice-Presidente do Conselho Diretivo (2004/05, 2005/06, 2006/07)

Algumas publicações mais relevantes
Baptista, Maria Madalena. (2005). Falar com as mãos. Coimbra: Editora Pé de Página. ISBN -972-8459-79-3
Baptista, Maria Madalena. (2009). P.A.C.A: Prova de Avaliação das capacidades Articulatórias em crianças dos 3 aos 6 anos. Coimbra, Grácio Editor. ISBN 978-989-96375-5-9
Coordenação técnica e científica na elaboração do manual “Uma Aposta na Qualidade: Manual de Auto-Avaliação das Escolas do Ensino Básico” (2010), Cabo Delgado, Maputo, RLINLD/6516/2010.
Coordenação técnica e científica na elaboração do manual “Uma Aposta na Qualidade: Manual de Auto-Avaliação dos Institutos de Formação de Professores” (2010), Cabo Delgado, Maputo, RLINLD/6517/2010.
Coordenação Técnica e Científica de um DVD denominado “Lexicário da Língua de Sinais de Moçambique (LSM)” em 2010. Cabo Delgado. Projecto financiado pela Cooperação Dinamarquesa (Danida) e Espanhola (Cáritas Diocesana de Pemba) :
Momomo: Um conto Moçambicano (2012), Grácio Editor, Coimbra, ISBN 978-989-8377-23-4
Educar e Comunicar na surdez (2012), Grácio Editor, Coimbra, ISBN 978-989-8377-24-1

Modalidade e duração

Regime de ensino à distância.

Enquadramento e justificação

A Educação Inclusiva visa proporcionar a todos os alunos a igualdade de condições para o acesso e permanência na escola, sem qualquer tipo de discriminação. Educar para a Inclusão pressupõe compreender toda uma complexa realidade nas escolas; realidade para a qual, muitas vezes, os professores não se sentem devidamente preparados, sobretudo quando se trata de alunos com Necessidades Educativas especiais decorrentes de problemáticas sensoriais, motoras ou cognitivas. Neste curso os formandos terão acesso a:
• conteúdos adaptados ao sistema educativo de Moçambique por especialistas com profundo conhecimento desta área e do contexto;
• emissão de certificado de pós-graduação;
• acompanhamento diferenciado aos formandos;
• métodos de ensino e aprendizagem centrados no formando e uso das tecnologias mais eficazes e eficientes;
• materiais de apoio à formação;
• uma visita de uma semana a instituições educativas em Portugal, mediante pagamento adicional de 75 000 meticais.

Objetivos

Proporcionar formação no âmbito das filosofias e práticas de acompanhamento e inclusão sócio-educativa de indivíduos com Necessidades Educativas Especiais (NEE).

Resultados esperados

Espera-se que os formandos ao terminarem este curso estejam aptos a:
• Descrever e divulgar a filosofia de educação de crianças com NEE numa perspectiva de escola inclusiva;
• Adaptar e construir instrumentos de observação e avaliação capazes de apoiar na identificação de necessidades educativas especiais;
• Planificar e implementar as adaptações curriculares apropriadas às necessidades dos alunos e às características das instituições escolares.
• Aplicar de forma fundamentada estratégias específicas de intervenção em diferentes contextos educativos (formais e não formais)

Destinatários

Condições de admissibilidade: habilitação profissional para a docência (ensino pré-primário, primário ou ensino secundário geral) ou licenciatura. Todos os interessados nesta área de atuação profissional.

Mecanismos de Resolução Alternativa de Litígios
Na eventualidade de um litígio o consumidor pode recorrer ao Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo do distrito de Coimbra (CACCDC), com sítio em http://www.centrodearbitragemdecoimbra.com e sede na Av. Fernão Magalhães, N.º 240, 1º, 3000-172 Coimbra.

Endereço

Travessa da Vila União, n.º 16, 7.º drt
3030-217 COIMBRA
PORTUGAL

Contactos

E-mail: editor@ruigracio.com
Telefones: 239 084 370 ou 916 600 624

NIF

Paula Cristina Pintassilgo Marques Rodrigues Grácio
NIF: 190 301 066